terça-feira, abril 18, 2006

Mais uma vez, obrigado, Johnny

Etiquetas:

7 Comments:

Blogger Arrebenta said...

A Paixão de Israel


Como Cidadão do Mundo, e, particularmente, como exilado interno lusitano, venho, através deste texto, associar este blogue a um dos momentos mais negros da nossa História Nacional.

Como está largamente documentado na Rua da Judiaria, celebram-se, no dia 19 de Abril, os 500 anos do infame massacre perpetrado pelos nossos antepassados sobre os antepassados dos nossos concidadãos de credo judaico. Um pouco por todo o lado se pede que nos associemos, e nesse dia acendamos, no Rossio, uma vela evocativa. Contudo, mais importante do que essa vela, convém que saibamos reacender a vela de uma memória interior.

Não me vou ater aqui a pormenores históricos, estão devida, e lapidarmente, descritos na Rua da Judiaria: em 1506, terão, por alto, sido chacinados e queimados vivos cerca de 4 000 dos nossos compatriotas, mais do que compatriotas, vizinhos de Lisboa, tão-só por uma diferença de credo, algumas referências de texto, e diferentes denominações daquele deus único dos 3 Monoteísmos.

Quando me falam de Judeus, de Cristãos e de Muçulmanos, imediatamente me acorre à ideia o Califado de Córdoba, onde, nos tempos intermédios da Reconquista, essas três religiões se uniram, para dar lugar a uma das mais espantosas florações culturais da Península, onde os pensares eram comuns, as sinagogas moçárabes, os príncipes cristãos versados nas línguas mouras, o filosofar árabe assimilado por todas as teologias, e as Igrejas de Cristo um lugar de cultos partilhados. Tudo o resto foi, depois, uma mera sombra cultural.

Portugal, país ingrato, mostrou-se sempre exímio em mutilar as suas melhores cabeças: num tempo de acolhimento, começou por juntar os restos dos perseguidos Templários com o ancestral Saber Judeu. Daí terá resultado a nossa única epopeia, a dos Descobrimentos, até que príncipes mal aconselhados, ao sabor das conveniências, resolveram substituir a Convivência pela Intolerância, obrigando ao exílio, à mentira da pele de uma religião forçada (o que é um cristão-novo, senão mais uma alma humilhada?...), e, por fim, a essa indesculpável hecatombe, iniciada em 19 de Abril de 1506.

Toda a nossa épica sucumbe nessa forçada Segunda Diáspora, onde as melhores mentes judaicas acabaram por levar o seu saber para as terras da tolerante Holanda, tornando-a na nova potência, que rapidamente substituiu o soçobrado Império Português.

Faz parte da cruz judaica a régua de dois saberes: 1) a de que mais tarde, ou mais cedo, ele será perseguido; 2) a de que, posto que essa perseguição inexoravelmente virá, lhe convém estar, ao máximo, preparado para ela. Isto gerou Judeus ricos, e Judeus sábios, e à volta disto, semeou-se sempre uma infindável história de mal disfarçadas invejas.

Quando ligo a televisão, tudo o que sinto de repulsa pelo presente xadrez de ódios do Próximo e do Médio Oriente consegue estender-se até esse dia de há 500 anos atrás. Dir-se-á que estão distantes, e que são povos que nos são quase alheios; todavia para quem invoca, repetidamente, o lema do país dos brandos costumes, relembro que esses bárbaros de há meio milénio atrás, também foram nossos antepassados, ou, por palavras outras, para que conste, que todos nós, Portugueses de hoje, deles descendemos, e descendemos em linha directa de culpa.

terça-feira, abril 18, 2006 2:59:00 da manhã  
Blogger Davi Reis said...

O Caderno de Corda já há tempos largos se havia comprometido, via Miniscente, a assinalar o dia, respondendo positivamente ao repto lançado pelo Nuno Guerreiro na Rua da Judiaria.

terça-feira, abril 18, 2006 3:19:00 da manhã  
Anonymous sm said...

Não fazia ideia que fossemos um país de sanguinários. Que eu saiba só muito posteriormente aos espanhóis terem expulso os judeus é que D. Manuel os mandou embora...bem, pormenores...Na altura deste genocídio mais de um terço da população de Lisboa era de origem estrangeira, só este facto penso que demonstra que somos um povo de brandos costumes. Pormenores...No entanto estas manifestações sempre a favor do judeus penso que demonstram o apoio que dá sempre jeito aos americanos. Uma espécie do bin laden ser o actor americano mais bem pago.Ou já se esqueceram que o povo judeu está bem entranhado na administração Bush e ainda por cima agora que o Irão se arma em esperto...e está tão pertinho de Israel...Já todos sabemos que muitos judeus morreram mas existem genocídios bem mais importantes e maiores para serem recordados e até actualmente para serem denunciados.

terça-feira, abril 18, 2006 12:55:00 da tarde  
Blogger Davi Reis said...

SM: Apesar de concordar parcialmente contigo, parece-me que não nos fica nada mal assinalar o dia, que, de facto, foi negro para a nossa História - História essa de que eu e tu em grande parte nos orgulhamos.

Aquele abraço, mano SM

terça-feira, abril 18, 2006 5:56:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Hi! Just want to say what a nice site. Bye, see you soon.
»

domingo, maio 21, 2006 10:59:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

I'm impressed with your site, very nice graphics!
»

quinta-feira, junho 08, 2006 9:59:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

I say briefly: Best! Useful information. Good job guys.
»

sábado, julho 22, 2006 6:26:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home