quinta-feira, novembro 22, 2007

Jorge Palma no Coliseu, 2.ª noite: Uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa!

Segunda noite consecutiva no Coliseu de Lisboa. Casa quase cheia para a coroação de "Voo Nocturno", cameramen a postos, público sentado, heterogéneo, mas demasiadamente compostinho para um concerto do diletante-mor. De caras com uma plateia atapetada a muitos cabelos de algodão e timidez, foi o Jorge cantando a vida, desprevenido com a sua faringite, sem nada na manga. Uma nota escorrega - é assim mesmo, não vale a pena escondê-la ou sequer disfarçá-la. Insista-se na dissonância e, num paso doble, retome-se a harmonia, como na vida.
O público soltou-se um pouco depois da segunda metade, numa sequência de hits como "Frágil", "Deixa-me Rir" e "Dá-me Lume", o que demonstra a transversalidade atingida finalmente pelo génio musical do Mestre. Hoje, o público do Jorge foi um nadinha como o público da Selecção Nacional de futebol - os chamados "adeptos amadores". Mas isto é bom para todos. Acredito que o Jorge terá essa percepção...
O concerto não foi perfeito, como é óbvio. Se o fosse, não reconheceríamos aquele que tão facilmente amamos e a quem, por isso, tudo perdoamos. Não reconheceríamos aquele que se expõe perante nós, com o coração nas mãos e os medos desabados. Nu, no que tem de melhor e pior.
Não me venham os críticos dizer isto e aquilo dos lapsos do Jorge. Uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa! Não esperem ver o seu melhor concerto sem mácula, pois o melhor será simplesmente aquele no qual se emocionou, sofreu e riu connosco. E pode ter sido numa esplanada em Santos, no Acinox, do Sr. João; pode ter sido num Coliseu.
Estou cansado. O concerto terminou com um encore generoso, por comparação com a brevidade do dia anterior. A noite terminou na Gália de Astérix e Obélix.
Cantava o Fernando Tordo, na "Tourada": "E diz o inteligente que se acabaram as canções." Não acabaram. Ainda bem.

Etiquetas: , ,

3 Comments:

Anonymous gc said...

E Blitz não?

Estou a reconhecer aqui dotes muito interessantes que seriam uma mais valia na critica musical..

Abraço fraterno com saudade

quinta-feira, novembro 22, 2007 9:10:00 da manhã  
Blogger Ricardo said...

tens toda a razão GC, o Blitz só teria a ganhar com a colaboração do nosso irmão Davi.
Foi uma pena não nos termos cruzado na noite de ontem.

A ti mano velho, obrigado pela companhia que ajudou a tornar a noite ainda mais especial e inesquecível.
Tudo foi perfeito: o concerto, os enganos, os esquecimentos de letra, as fotografias censuradas e quase todas desfocadas, os pseudo-fãs-não-praticantes (tão em voga nos tempos que correm), a cota do "calem-se um bocadinho para eu ouvir", a digníssima recepção e as cervejolas na Gália, os enigmas da Joana, a sessão histórica da Calçada de Santana, a despedida no meio da estrada... tudo ajudou a tornar a noite ainda mais perfeita.

E como tudo nele parece que encaixa na perfeição: "bons vôos mano velho... nocturnos ou não!"

Vamos partir este bar...
Aquele abraço

quinta-feira, novembro 22, 2007 1:24:00 da tarde  
Blogger Arnaldo Lemos said...

Um concerto de Jorge Palma sem os seus enganos, esquecimentos ou tropeções nos fios não é um concerto de Jorge Palma.

Abraço

sábado, novembro 24, 2007 7:48:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home