sexta-feira, janeiro 25, 2008

A César

Como numa festa de música
com um liceu nas entrelinhas,
a aclamação e os louros,
um ciclo de vitória
que reencontra, na tangente
das espirais da amizade,
passados que trazemos na memória
e um presente que se sente
e ainda faz vibrar a gente,
partilhado a cada glória
ausente desaguada em saudade.
Negou César e negou bem:
A gralha sobrevoa
"Prosa é ninguém",
quando Abril ficou tão aquém
para o Zé Ninguém
e o comum bem entre Homens...
Mas a prosa é ninguém,
e eu creio existir na poesia
o mistério de todas as coisas...
A César o que é de César!

Ao meu velho e querido amigo César Silveira

Etiquetas:

3 Comments:

Blogger Rato do deserto said...

He's the man!

abraço a ambos

sexta-feira, janeiro 25, 2008 11:16:00 da manhã  
Blogger Kaiser said...

Mano,

Vergo-me perante tamanha honra que me concedes e fico sem palavras!!!

Abraço,
Kaiser

PS: "Highway to Hell"!!!!!!

sexta-feira, janeiro 25, 2008 11:20:00 da manhã  
Blogger Davi Reis said...

:)

sábado, janeiro 26, 2008 4:22:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home