segunda-feira, março 27, 2017

Anno XII - O Jantar

Legenda como sempre aleatória da foto: Ricardo Girão, Moisés, João Pimenta, João Trigo, César da Silveira, Miguel Leão Miranda, Nuno "Dino" Rodrigues, João Cruz, Joana Guerra, Ricardo Pinto, Hugo Simões, Carolina Pinto, Sofia Damião, Rui Pina, Hugo Dantas, Rute Ferreira, Ricardo Tomás, Sara Matos e Carlota Amaral.  

E, ao décimo segundo anno de Caderno de Corda, quando quase toda a substancial prosa poética já foi antes deitada e servida à mesa cibernética por esta ocasião, chegamos àquele ponto em que o blogue deste vosso dedicado escriba parece já não precisar de enlear os leitores para que o seu jantar comemorativo se concretize com Vitalidade e entusiasmo sempre crescentes. Arriscaria dizer ser essa a gratificação suprema no que respeita à memória do seu verdadeiro e último fito.
Este estará por certo longe de ser o post comemorativo mais prolixo, mais inspirado, mais imediatista. Está, de facto, a ser escrito a contra-relógio na manhã de sexta-feira de dia 31 de Março de 2017, mais de quatro dias depois da realização do Jantar e do aniversário do Caderno de Corda, por absoluta necessidade e, por motivos pessoais e profissionais bem aventurados, por impossibilidade declarada de fazê-lo antes com dedicação que a ocasião merece.
Entre grandes volumes de trabalho que exigem entrega absoluta e a preparação de uma longa viagem para Quito, no Equador, dentro de cerca de um dia, aqui me encontro, dedicando-vos, queridos confrades cordianos, estas linhas e algumas considerações fundamentais para a memória futura do que vos escreve e do seu blogue.
Como os honorários e beneméritos comensais cordianos saberão, este blogue foi, durante largo período, depositório criativo regular; construção por vezes sôfrega, megalómana, por vezes suspirante, mas sempre incansável e confidente, de peito e braços abertos. Não obstante, com o tempo, a Vida 1.0 e o advento das redes sociais, o Caderno de Corda foi vendo reduzida, gradualmente, a periodicidade de publicação.

Escrevia-se aqui assim, há dois anos:

(...) quando o Caderno de Corda nasceu, não havia Facebook. Nós líamos mesmo os blogues uns dos outros, procurávamo-nos - a nós e aos outros - numa plataforma de linguagens mais íntimas e duradouras, por oposição à efemeridade e à aparência das redes sociais. Este ano (..) é prova de que a casa se constrói pelos alicerces, e só assim permanecerá e crescerá forte, apesar do temporal lá fora e da iniquidade de um mundo hostil por natureza."
Hoje tudo está melhor, mais sólido, mais forte, mais promissor do que há dois anos. No entanto, o Caderno de Corda não o exprime na forma e no conteúdo do que o caracteriza: a Música, a poesia, a prosa, a prosa poética e outros deleites criativos que exigem Vida e largas doses de ociosa e dedicada contemplação. O que aqui vem sendo prometido nos últimos anos não está a ser cumprido - que o Caderno de Corda voltaria em breve às grandes empreitadas poéticas e à publicação de novos e inéditos objectos criativos, ainda que etéreos. Mas a promessa não é vã - chegue a Vida a dar-nos tempo.

Ainda assim, como também se pode ler AQUI há dois anos, o que está contido nos arquivos pode oferecer longas horas de leitura aos mais entusiastas e curiosos:

(...) só um rato de arquivo (para não escrever "biblioteca", cujo termo seria blogosfericamente desadequado) com muito tempo vago e curiosidade felina poderia abarcar o volume e os conteúdos desta página desde o seu primeiro post. De facto, mesmo clicando na tag que reúne os posts relativos ao aniversário cordiano, e, por consequência, do Jantar, constata-se que, por definição do Blogger, a página inicial já não tem, de há algum tempo a esta parte, capacidade para conter, de uma assentada, todos os conteúdos relacionados, acabando os mais antigos por ficar excluídos, embora consultáveis apenas com recurso aos arquivos mensais. 
Convidando, pois, os estimados leitores a visitar esta casa blogosférica, passo em revista, de modo muito sintético, alguns eventos que marcaram O Jantar - Anno XII, nomeadamente a notada - e justificada - ausência de última hora do Patrono Gustavo Silva, o aparecimento fugaz da Rita Franchi e do Rui Pedro Costa (que não jantaram nem posaram para a foto) e a estreia absoluta do mítico Moisés, também conhecido pelos profanos como Bernardo Rodrigues.
Mais uma vez, foi notada uma conta final inflacionada (possivelmente também devido aos muitos Cartuxas e a hipotéticos digestivos), a que porei termo sob compromisso de que, para o ano, estabeleceremos um valor fixo previamente.
No final, a noite prolongou-se. Primeiro cá fora, com Dino, Girão, Pina e Moisés, e depois em minha casa, com os resistentes Girão e Moisés, sendo que este último só de cá saiu por volta das 19 horas do dia seguinte, por sinal com dedos em sangue vertido nas cordas das minhas guitarras e no papel higiénico em que escreveu uma doce nota de despedida, deixada na porta do frigorífico.
Pela segunda vez foi pedido à confraria cordiana que compusesse ela própria, a múltiplas mãos, um texto que comemorasse a ocasião e, de algum modo, dispensasse este vosso esforçado escriba de, ano após ano, chegar à superação e ao novo. Quando há um ano havíamos tentado recorrer ao método surrealista cadavre exquis, subvertendo o discurso literário convencional, "a confraria compôs um texto de tal modo progressista e simbólico, pleno de alçapões metafóricos, abstracções elevadas e alegorias finas, quase etéreas, que decidi apresentá-lo (...) traduzido e adaptado em inglês com base em cálculos numerológicos e na sequência de Fibonacci".
Este ano sucedeu algo semelhante, mas com a particularidade de que, imediatamente antes de ser entregue a folha e a caneta ao Primeiro Literato Irmão João Trigo, foi feito um anúncio feliz que modelou inadvertida e indelevelmente os conteúdos das proposições escritas dos estimados confrades. Tal não estava previsto e, na Verdade, seria algo preferencialmente mantido em sigilo neste imediato. No entanto, o Caderno de Corda não cerceia; liberta. Assim sendo, neste "Cordian Cadavre Exquis 2 (Vida 2.0)" que deve parte do nome ao Nuno "Dino" Rodrigues (Vida 2.0), a equipa de editores do Caderno de Corda optou por, desta feita, recorrer a uma técnica avançada de pot-pourri, razão por que não vou respeitar necessariamente a ordem pela qual as frases foram integralmente escritas, mas mantenho todo o conteúdo manuscrito, palavra a palavra, misturando ideias e procurando sentidos alternativos que preencham de ambiguação e dúvida o leitor páraquedista quanto ao seu significado original.

 Cordian Cadavre Exquis 2 (Vida 2.0)
Numa noite especial, reúnem-se os amigos para saber, só se assim quiseres, que há que pensar positivo e acima de tudo saber que a solidão não existe. Quando temos tão bons amigos, sempre perto e nunca longe, é de aproveitar que estamos vivos, com saúde, caso precisemos de algo, seja nos bons ou maus momentos. A vida que vivemos e a vida que está por vir, tudo é a nossa história, o passado e o devir. O importante é que se venha!, e que tudo nos leve à Vida 2.0 que tanto queremos que chegue! Tens a caminho a maior felicidade do mundo. Que venha do Sporting porque, do mesmo modo, o consenso sobre a necessidade de qualificação desafia a capacidade de equalização das direcções preferenciais no sentido do progresso para trazer mais este elo de suor, sangue e algum sémen! Ordem e progresso, "ipirangou" alguém! Foda-se, clamou outro! "Random", suspirou o Trigo. Olha, Hugo, tu vai pinar, tu pinas bem! É o que dizem por aí.  Parabéns! É o que se deve dizer. Estaremos todos aqui para ajudar, mas tenho pena, mudando de assunto, não ter entrado na foto de 2008 (fui eu que tirei, eheheh). Aos aniversários, casamentos e baptizados, obrigada pelo apoio mesmo distante, muita saúde e vai ser bué complicado mais um sobrinho! Espero que os reencontros sejam muitos e por bué tempo, no que for preciso, incluindo desencaminhar para o sítio certo. Grande orgulho ver o Simões juntar-se à equipa. Penalti ou não, o melhor remate da tua vida não foi ao poste... Agora a esperança de encontros menos esporádicos dos papás! Seguro que será um grande pai! Uma felicidade inexplicável, imensa, do fundo do coração. Aproveita meu Irmão! Estamos juntos. Viva o Benfica e penalti para o Porto.
(fotografia artística de pormenor da mesa do Jantar por Ricardo Girão e Moisés)

Regresso, novamente, a uma ideia já disposta em aniversários cordianos anteriores, mas que se mantém totalmente válida: 

"Enche-me o coração armar um pretexto que volte a reunir outros três ou quatro amigos de infância, de escola primária, e outros tantos amigos de rua cruz-quebradense, de escuteiros, de colégio, de banda, de turma, e todos juntos sermos o momento de que se não desiste. Foi verdadeiramente esse o motivo que me fez, com o impulso do Gustavo Silva, (...) abraçar este Jantar como a uma tabla contínua de passado, presente e futuro maciços e duráveis, que se consubstancia na nossa presença e que consegue, paradoxalmente, flexibilizar os contornos do tempo e do espaço em concavidades e convexidades que nos mantêm à tona de uma realidade que, como não me canso de escrever nesta ocasião, transcende em muito a liça cibernética, resgatando a tangibilidade dos afectos. Sim, este jantar é um feito de todos, muito além da celebração do aniversário do blogue, e eu só posso sentir-me honrado pelo privilégio de estar convosco anualmente, nesta data, de forma espontânea, livre e desejada mutuamente."
Todas as fotos (exceptuando uma) do Irmão Ricardo Pinto, também referido no Jantar como "Torre do Tombo"

Este blogue é e continuará a ser o meu fiel depositório criativo.

Como sempre nesta ocasião, o cabeçalho do Caderno de Corda encontra-se actualizado, podendo ler-se, no final da animação taylor made pelo realizador Tiago Bettencourt Pereira, Anno XII.

Daqui a exactamente um ano, no mesmo sítio, à mesma hora.

ASSIM foi. Assim seja.

Links para posts análogos dos aniversários anteriores:

Etiquetas: , , , , , , ,