sexta-feira, novembro 28, 2014

'A Nova Fé (É a Descrença)' - nova canção em estreia aqui e agora

"A Nova Fé (É a Descrença)" resulta de uma delonga invulgar na base do seu processo de produção. Trata-se de uma canção que já estava quase inteiramente escrita e parcialmente gravada (no pequeno Micro BR de quatro pistas) em meados de 2013, mas que eu pretendia regravar e concluir, tal como já havia sido acertado, no estúdio do Bill (Sebastiano Ferranti), que assim iria tocar e captar uma bateria orgânica, por oposição à bateria programada sobre a qual eu havia gravado todo o instrumental (baixo, guitarras, etc). 
Entretanto, já com a bateria do Bill gravada, e sabendo da vontade de dois ex-Baby Jane (Ricardo Tomás e Ricardo Pinto) em participar nas gravações que estavam em curso, optámos por regravar também (além da bateria) o baixo e as vozes. O Tomás estudou a lição e gravou rapidamente a sua linha de baixo em estúdio, mas o Pinto, apesar da dedicação que empreendeu no projecto de canção, teve por fim dificuldade em conciliar agendas, pelo que acabei por gravar as vozes em definitivo, em casa, com recurso ao gravador Boss BR-800 e aos microfones Golden Age Project FC3 e Shure SM58. Teria sido desejável que o Tomás gravasse também vozes, mas, mais uma vez, houve um pequeno desacerto de agendas que fez com que o Bill concluísse os trabalhos com as pistas de voz que eu lhe tinha enviado.  
Quer isto dizer que esta canção é um Frankenstein de produção áudio maquilhado a pó de arroz, mas um Frankenstein domado q.b. - talvez demasiado manso para o que eu desejaria, essencialmente devido à má qualidade do som de guitarra obtido originalmente no Micro BR, que condicionou tudo o resto no processo de masterização. As guitarras foram, portanto, inteiramente gravadas no meu anterior gravador digital de quatro pistas Boss Micro BR, com o respectivo processamento; a bateria e o baixo foram gravados no estúdio do Bill pelo próprio, sendo que o baixo foi tocado pelo Ricardo Tomás; as vozes foram, por fim, gravadas no meu BR-800 em casa e posteriormente enviadas ao Bill; a mistura e a masterização foram concluídas ontem, dia 27, pelo Bill no seu estúdio. 
Sobre a canção propriamente dita, resulta da observação, a partir da janela de minha casa, do desencanto neurótico, da alienação angustiada, da agressividade descontrolada dos transeuntes na rua. Desde que regressei para o centro de Lisboa, onde vivi durante quase toda a vida, notei particularmente uma crescente inquietação existencial pairante nas gentes, que amiúde leva pessoas a descontrolarem-se, insultarem-se e até agredirem-se em plena rua. Desconhecidos, casais, familiares. Uma perturbação generalizada e notória para quem, como eu, passou alguns anos a viver e a trabalhar em casa, fora de Lisboa, numa zona meramente habitacional, sem o bulício da capital. Mas não vou escrever mais sobre a canção do que escrevi para a própria...
Resta dizer que há um lapso na letra cantada (gravada), sendo que, no sexto verso, quando se ouve "olho a cidade enraivecida" deveria ouvir-se "ouço a cidade". Por esse motivo, mantenho a letra correcta abaixo, independentemente do lapso gravado. De sublinhar, mais uma vez, a colaboração do meu Irmão Ricardo Tomás, que gravou o seu primeiro tema comigo no formato pós-Baby Jane. Ao momento, eu, o Bill e o Tomás estamos perto de concluir nova canção gravada a três, mas agora totalmente captada no estúdio do Bill.  

Todas as canções originais estão disponíveis para download gratuito. 

Clique em "download". 

* A Nova Fé (É a Descrença) - letra *

Nunca tantos deveram
tanto a tão poucos
Nunca tantos partiram 
em busca de sonhos

Abeirado à janela
ouço a cidade
enraivecida

A nova fé é a descrença

A fé
no peito
um mar sem pé
A nova fé é a descrença.

Não há dívida tua
apátrida ruga
que pague a não-vida
silente na funda noite
que te engole os dias

Nunca tantos fugiram
de tantos credores
Nunca tantos sedaram
do espírito as dores

Abeirado à janela
vejo a cidade
enlouquecida

A nova fé é a descrença

Longa noite de uma inquisição sem Fé…
o instinto da acção no peito aberto 
e dentro um mar sem pé
revolto e incerto

Nunca tantos deveram
tantos favores
Nunca tantos viveram
como vasos sem flores

Abeirado à janela
sinto a cidade
fria e tensa

A nova fé é mesmo a descrença

Etiquetas: , ,

quinta-feira, novembro 27, 2014

Guitarra Fender Tim Armstrong Hellcat de 12 cordas + Stylophone Dübreq + Melodica Thomann

Breve nota apenas para registar ter sido hoje que chegou a minha primeira 12 cordas acústica - uma espantosa guitarra Fender Tim Armstrong Hellcat de 12 cordas - e, por acréscimo, também o meu Stylophone Dübreq e a minha Melodica, de marca Thomann. Let's keep on rockin'!


Etiquetas: , , , ,

segunda-feira, novembro 24, 2014

Videoclip de 'Universo de 1'


A canção "Universo de 1" foi apresentada AQUI, no Caderno de Corda, mais precisamente no dia 12 de Novembro de 2014. Hoje publico o videoclip possível, realizado por mim, mais uma vez pejado de imagens ilicitamente obtidas do YouTube. Não deixo, obviamente, de referir as fontes de que me abeberei, com todo o respeito:

https://www.youtube.com/watch?v=6DY87zB8_Mg
https://www.youtube.com/watch?v=UWwHJtJR750
https://www.youtube.com/watch?v=dGyZvSSUBgI
https://www.youtube.com/watch?v=arZgrr0tp9s
https://www.youtube.com/watch?v=uQkMTZWEjcU
https://www.youtube.com/watch?v=WfGMYdalClU

Devo acrescentar que o videoclip que aqui se estreia foi realizado por mim em software gratuito. Compus, produzi, gravei, toquei, cantei, misturei e masterizei integralmente a música em casa (música, letra, baixo, guitarras, pandeireta e vozes) no gravador digital de oito pistas Boss BR-800. Todas as informações no post de lançamento da canção.

Etiquetas: , , ,

quarta-feira, novembro 12, 2014

Regravação de "Universo de 1", versão 2014


Acabada de regravar e publicar ontem no ReverbNation, dia 11 de Novembro de 2014, "Universo de 1" é uma canção já muito antiga que começou inusitadamente pelo refrão, por volta de 1998 ou 99, guardado na memória durante talvez um ano ou coisa que o valha, até que, finalmente, surgiu o resto da canção, escrita, composta e gravada integralmente já no ano 2000, após um regresso de África.
A primeira gravação embrionária do tema (que se pode ouvir isoladamente AQUI), datada portanto do ano 2000, foi levada a cabo pelo João Martins, baixista dos Skamioneta do Lixo, na garagem do Carlos, então um dos músicos da banda Beringelas. À época, contei com a participação do Paulo Amaral na bateria, que integrava, tal como eu, os Baby Jane, sendo que todos os restantes instrumentos e vozes (guitarras, baixo e instrumentação adicional) ficaram a meu cargo. Apesar de ter integrado consistentemente o reportório dos Baby Jane no seu tempo, a canção nunca fez parte de qualquer maquette da banda.
Porque a primeira gravação apresenta inúmeros defeitos, falhas e uma qualidade inferior (descobri há pouco que o master de que disponho se encontra em mono), resolvi regravá-la em casa com o equipamento de que disponho agora. Assim sendo, tudo foi feito no gravador digital de oito pistas Boss BR-800 com o seguinte equipamento: microfone de condensador largo Golden Age Project FC3, microfone Shure SM58, guitarras eléctricas Duesenberg Starplayer TV e Ibanez EX-370, baixo Höfner Ignition Beatles Bass VSB e uma pandeireta. A bateria foi inteiramente programada, ponto a ponto, no software Rhythm Editor do BR-800. 

Todas as canções originais estão disponíveis para download gratuito. 

Clique em "download".

* Universo de 1 (letra) *

Se tudo fosse meu...
o poder de ter o teu e então brincar
no dorso de um animal,
uma cenoura num fio
como um telejornal...

No mundo visual,
cor daquilo que se é ou se pertence...
e sem saber, já se tem religião
como o político que ganhou a eleição

Temos de entrar para poder sair
Partir é chegar e chegar será sempre partir

Se tu pudesses ver
além daquilo que se pode ter,
como átomo e electrão...
pode ser...
como a terra e o sol,
ou inverter...
a escala é nossa invenção,
como dizer?...
tudo isto é anzol
e tubarão

Temos de entrar para poder sair
Partir é chegar e chegar será sempre partir

Temos de entrar para poder sair
Partir é chegar e chegar será sempre a partir,
Sempre a partir...

Etiquetas: , ,